MULHERES INSONES (2006)

Produção e Realização: Jogo de Cena
Dramaturgia e Direção: Decio Antunes

Parceria com a Terpsí Teatro de Dança.

Prêmio Quero-Quero de Melhor Espetáculo de Dança, Cenário, Figurino e Iluminação. Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo de Dança, Cenário, Figurino, Iluminação e Trilha Sonora Original. Troféu RBS Cultura como Melhor Espetáculo pelo Júri Popular de 2006.

E LA NAVE NO VA II (2003)

Versão palco Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo, Trilha Sonora, Figurino, Cenário e Iluminação.

E LA NAVE NO VA I (2001)
Versão urbana no aeromóvel.

O BANHO (2001)

Prêmio Açorianos de Cenário, Figurino, Iluminação. Prêmio IEACEN de Produção de Dança e Prêmio FUNARTE de Produção de Dança.

A FAMÍLIA DO BEBÊ (1999)

Prêmio Açorianos de Melhor Cenário, Figurino, Iluminação e Trilha Original.

O espetáculo A Família do Bebê, da Cia. Terpsí Teatro de dança foi criado para o público infantil. Com um sutil percurso do ventre ao ambiente familiar, Carlota Albuquerque conduziu sua coreografia a um ambiente lúdico e fantástico, onde emergem seres da fauna brasileira e objetos reciclados. O cenário, criado por Zoé Degani, utiliza materiais recicláveis, assim como a “orquestra de latinhas”, com a qual o público interage e se diverte ao som da trilha sonora original composta por Gustavo Finkler. Esse espetáculo também inclui obras do compositor Villa-Lobos. Uma enorme cama elástica participa da criação de diversas paisagens das aventuras d’A Família do Bebê.

ESCAPE - A DANÇA DOS LOUCOS (1998)

ORLANDO'S (1996)

Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo, Melhor Bailarina, Melhor Iluminação e Melhor Figurino.

LAUTREC... FIN DE SIÈCLE (1993)

Troféu Quero-Quero de Melhor Espetáculo.
Prêmio Açorianos de Cenário e Iluminação.

"A mais criativa surpresa de 93 aconteceu com o teatro dançado: Lautrec...fin de siècle. Com ela o Terpsí - Teatro de Dança, sob direção de Carlota Albuquerque, fez um belo e surprendente trabalho gestual-coreográfico em torno da belle époque. Pleno de liberdade pós-moderna, sugestão visual e renovação da linguagem cênica. Umas estampas dinâmicas e evocativas, inspiradas e mágicas. Projetou o nome de Carlota Albuquerque como talentosa dublê de encenadora e coreógrafa".

Cláudio Heeman (Crítico Teatral - Jornal das Artes Cênicas, RJ)

QUEM É? (1989)

Prêmio Açorianos Especial de Dança, Troféu Quero-Quero de Melhor Espetáculo.


"Quem é? dá um quadro específico, particular de uma realidade, de uma pesquisa. Eu acho que cada cena, cada quadro, trabalha com múltiplas coisas, é bem a face da modernidade”.

Marcos Bragato (Crítico de Dança e Curador do Cento Cultural São Paulo)


AS TRÊS PARCAS (1988)

AS QUATRO ESTAÇÕES (1987)

Nenhum comentário: